15.9.09

Declaração

Como um gato, sinuosa e suavemente ele se aproximou, disse o meu nome num sussuro e me deu o beijo mais macio que a minha boca já provou.
Tão gentil... como se um movimento mais brusco pudesse desmanchar a magia que se instalava entre nós...
Tão profundo e hipnótico, nosso olhar se encontrou como imã, e assustado se desviou, como se prolongado fizesse com que nos perdessemos de nós mesmos, dentro um do outro.

Tenho medo de achar que eu sei o que é isso. Talvez seja pretenção tentar definir o nome, tamanho ou duração. Eu não quero saber qual o prazo de validade, só me entregar e sentir, com toda intensidade, essa mistura rara de sentimentos e sensações que vc provocou em mim.

Pedindo licença pro Djavan:  "Deus é pai, vai saber, se acontecer serei sua até o fim".

No mais, vou deixar o Vinícius expressar com exatidão meu desejo:

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário: